Comprar casa em Portugal: quanto custa e documentos necessários

By | Artigos, Imobiliário | No Comments

As dúvidas na hora de comprar uma casa existem em qualquer circunstância, mas quando se trata de adquirir um imóvel no exterior, elas podem ser ainda mais intimidantes. Seja em relação à documentação ou as formas de pagamento, comprar casa em Portugal pode ser mais fácil do que você imagina.

Neste artigo vamos solucionar todas as dúvidas e ajudar você a tomar a melhor decisão para a compra de um imóvel no país, confira.

Como um brasileiro pode comprar casa em Portugal?

Comprar casa no país é um dos primeiros pensamentos dos brasileiros que pretendem morar em Portugal. A boa notícia é que pode ser mais simples do que parece a princípio.

Existem poucas diferenças na compra da casa por um brasileiro ou português, o processo, de modo geral, é bastante semelhante. A principal diferença pode estar no financiamento, caso seja uma opção, uma vez que pode não haver uma relação como correntista em um banco português, o que faz a busca começar do zero.

A seguir apresentamos um passo a passo de como comprar casa em Portugal, confira:

1. Definir o que procura

O primeiro passo para comprar uma casa em Portugal é definir o que você busca no imóvel. Neste momento, você deve pensar tanto no aspecto do imóvel, como número de quartos, localização e estado de conservação da casa. Mas também deve abranger o aspecto financeiro, qual será o orçamento para o imóvel, ou seja, de quanto você dispõe para comprar uma casa.

2. Iniciar a busca pela casa

Buscar por um imóvel pode ser um processo um pouco trabalhoso, especialmente se você ainda estiver vivendo no Brasil. Existem algumas maneiras de buscar por um imóvel, a mais tradicional, claro, é buscar por uma imobiliária, com atendimento mais personalizado, o corretor pode ajudar a encontrar a casa ideal, com as características que você deseja.

Mas não limite a busca ao corretor, em Portugal existem bons sites de imóveis, tanto de aluguel quanto de compra, nos quais você pode encontrar boas oportunidades. Em alguns desses sites, inclusive, existem anúncios das próprias imobiliárias.

3. Visitar

A visita ao imóvel é essencial para uma compra de sucesso. Nesse momento aproveite para observar a região, seja para investimento ou para viver, a localização do imóvel é importante.

No imóvel, faça uma visita minuciosa, observe bem o prédio, o estado de conservação e possíveis problemas. Alguns problemas são comuns nos imóveis em Portugal, como o mofo – especialmente no inverno – por isso, observe bem a possível existência desses problemas nas paredes e armários.

4. Fechar as condições

As condições de compra podem variar muito e uma boa negociação pode fazer toda a diferença. Nesse momento, o corretor pode ser um bom auxiliar no processo de definir as condições.

5. Preparar a documentação

Antes de iniciar o processo de busca por um imóvel, é bom verificar os documentos necessários para a compra. Assim, no momento da negociação, estar com a documentação preparada facilita muito o andamento das negociações. A seguir apresentaremos em detalhes quais são eles, entre documentação pessoal e financeira, é bom ter tudo em ordem antes de começar.

Neste passo também inclua o contrato de compra e venda, essencial para oficializar as condições da compra e os detalhes da transação.

6. Transferir dinheiro ou pedir financiamento

O pagamento do imóvel é uma das etapas que gera maior dúvida nos compradores. Qual a melhor forma de transferir o dinheiro do Brasil para Portugal? É possível financiar sendo brasileiro? São muitas as dúvidas, mas a transação é simples e pode sair mais barata pelas plataformas. Você só precisa se planejar direito para verificar os limites da transação.

7. Fazer a escritura

Negociação concluída, pagamento definido, é hora de passar a documentação do imóvel para o seu nome. Quando o pagamento é realizado direto com o vendedor, basta estarem ambos presentes para a assinatura. Caso seja realizado o financiamento é necessária a presença de um representante do banco.

Assinada a escritura, o imóvel é registrado no seu nome e pronto, a casa é oficialmente sua!

Entrega de chaves de casa após compra
O financiamento também pode ser uma boa oportunidade para comprar casa em Portugal.

Quanto custa uma casa em Portugal, em média?

Varia muito, pode encontrar casas de 50 mil euros a mais de 1 milhão de euros. Os preços para comprar casa em Portugal vão depender de vários fatores, desde a cidade onde pretende comprar um imóvel, até o tamanho e estado de conservação dele.

No dia 08 de maio de 2022, realizamos uma busca no Imovirtual, por imóveis com tipologia T2, ou seja, com dois quartos, com até 70 m² em diferentes freguesias (bairros) das principais cidades de Portugal.

Todos os imóveis estão em bom estado de conservação e muitos deles prontos para serem habitados. Os preços variam muito de uma cidade para outra, mas estando no Porto e em Lisboa os imóveis são mais caros. Segundo o relatório de evolução do preço das casas, desenvolvido pelo Idealista, em abril de 2022, valor do metro quadrado para venda em Lisboa fechou em 3.773€, enquanto o do Porto fechou em 2.239€.

Como é possível observar, a metragem em Lisboa é muito mais cara que nas demais cidades. Em algumas situações, é possível comprar um imóvel maior e mais confortável em cidades menores, pelo mesmo preço de um apartamento pequeno na capital.

Lisboa

FreguesiaPreço
Alvalade315 a 995 mil euros
Estrela210 a 50 mil euros
Campo Oiapoque185 a 700 mil euros
Misericórdia180 a 750 mil euros
Parque das Nações150 a 550 mil euros
Santo Antônio230 a 600 mil euros
Santa Maria Maior130 a 950 mil euros

Se você está em dúvida entre alugar ou comprar imóvel em Lisboa, veja este guia que preparamos para ajudar você.

Porto

FreguesiaPreço
Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde200 a 700 mil euros
Bonfim160 a 350 mil euros
Campanhã150 a 320 mil euros
Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória160 a 550 mil euros
Paranhos155 a 350 mil euros

Faro

Conselho/FreguesiaPreço
Faro – Sé e São Pedro150 a 300 mil euros
Albufeira – Albufeira e Olhos de Água125 a 680 mil euros
Portimão – Portimão110 a 380 mil euros

Onde procurar casas para comprar em Portugal?

A internet facilitou muito o processo de busca por um imóvel, especialmente quando a compra é em outro país. Entre os sites portugueses para compra de imóveis, os que mais se destacam são o Imovirtual e o Casa Sapo.

Em ambos os sites é possível filtrar pela cidade, preço e outras características do imóvel. Com anúncios sempre atualizados, ambos concentram publicações tanto de proprietários quanto de imobiliárias, assim, é possível encontrar uma ampla oferta de imóveis e selecionar de acordo com os seus objetivos.

Entre as imobiliárias, as duas principais com atuação em todo o país são a Remax e a Era. Também é possível realizar uma busca pelos sites e encontrar anúncios atualizados de imóveis pelo país. Por serem as maiores do país, você encontra uma ampla oferta de imóveis para venda e, se preferir, pode contar com um atendimento mais personalizado dos corretores.

Como são as casas em Portugal?

Vale se atentar a algumas curiosidades sobre as casas em Portugal, pois ela são um pouco diferentes do Brasil, tanto arquitetônicos quanto de funcionalidade que são bem diferentes.

Janela só de um lado

É comum que os apartamentos em Portugal tenham apenas um lado com janelas (a menos que sejam de esquina). Os prédios, na sua maioria, são construídos colados um no outro, dessa forma, existem janelas apenas em um dos lados.

Proteção contra o frio

Outra diferença está na preparação das casas para o frio. Em Portugal, muitas casas tem janelas com vidros duplos, que ajudam a reduzir a perda de calor no imóvel, no inverno essa característica é essencial. Assim como o sistema de aquecimento, atualmente, muitas casas contam com ar condicionado de dupla função, que aquecem e esfriam o ambiente.

Banheiro sem janela

Não se assuste se encontrar banheiros sem janelas. Quando falei que as casas têm apenas uma frente dá para entender um pouco a questão, quem vai querer perder espaço de luz natural com um banheiro? Desta forma, é comum que os banheiros tenham sistemas de exaustores, que retiram a condensação da água quente. Um exaustor de qualidade é essencial, especialmente para evitar os mofos que acompanham a umidade.

Frente de casas típicas de Lagos, no Algarve, em Portugal
Avaliar as condições do imóvel é importante para comprar casa em Portugal.

Veja alguns cuidados com a casa em Portugal que você precisa ter atenção ao comprar um imóvel em Portugal.

Nomenclatura

Mas existe ainda uma diferença fundamental na nomenclatura, as casas e apartamentos são denominados pela tipologia, ou seja, você vai encontrar imóveis com a designação T acompanhado de um número.

Esse número em questão é o número de quartos, assim, existem T1, T2, T3, etc. Um T0 corresponde a uma kitnet. Já um T1+1 corresponde a um apartamento de um quarto, mais um cômodo que pode ser feito de quarto, mas que provavelmente não tem janela (aquela diferença que falamos antes).

Como funciona o financiamento de imóveis em Portugal?

Financiar o imóvel em Portugal é uma boa oportunidade para quem pretende comprar. Um brasileiro pode conseguir até 70% de financiamento do imóvel, ou seja, o restante deve ser pago como entrada.

Se você pretende fazer um financiamento para comprar casa em Portugal, o primeiro passo é buscar por um banco. Existem grandes instituições bancárias no país, faça uma simulação no site do banco escolhido e verifique as condições. A análise de crédito varia muito de um banco para outro, por isso, é bom pesquisar as instituições antes de escolher a melhor opção.

Se você ainda vive no Brasil, a dúvida se é possível usar os comprovantes de renda brasileiros é comum, a reposta é que sim, você pode usar os seus comprovativos do Brasil. A declaração de renda brasileira, assim como os contracheques e extratos bancários podem ser usados para comprovação na solicitação do financiamento.

Tem como comprar casa em Portugal morando no Brasil?

Sim.

É possível comprar casa em Portugal ainda morando no Brasil, mas você vai precisar de um profissional no país para intermediar o processo. Isso porque, um dos requisitos para comprar casa em Portugal é ter o Número de Identificação Fiscal (NIF). Para solicitar o NIF ainda no Brasil, indicamos que você utilize a plataforma Bordr, que resolve tudo por você de forma legal, rápida e por um preço justo.

Cuidado ao comprar um imóvel a distância, se possível visite-o antes de concluir a compra, é um investimento alto e não conhecer pessoalmente pode ser um erro. Por isso, planeje-se e antes de finalizar a negociação faça uma visita a Portugal e ao imóvel.

O que é necessário para comprar uma casa em Portugal?

O primeiro item essencial para comprar um imóvel em Portugal é o Número de Identificação Fiscal, o NIF, que citamos anteriormente. Esse documento, equivalente ao CPF no Brasil, é essencial para conseguir realizar a transação no país. Para solicitar o NIF você deve ir às Finanças em Portugal.

Além disso, é preciso apresentar a sua documentação pessoal, que pode ser o passaporte, caso ainda não tenha residência no país. A autorização de residência em Portugal também pode ser usada no processo, ou ainda, o cartão de cidadão, para quem tem cidadania europeia.

Você também precisará apresentar os comprovativos de rendimento, para a negociação. Caso ainda esteja no Brasil, deve apresentar o imposto de renda brasileiro e outros documentos que ajudem a comprovar os seus rendimentos.

Outros documentos importantes para comprar casa em Portugal

  • Certidão do Registro Predial: é a certidão de teor, utilizada para confirmar a legitimidade do proprietário e do comprador;
  • Caderneta Predial: comprovando a atual situação fiscal do imóvel (esse documento deve ser solicitado no serviço de Finanças);
  • Licença de Utilização: serve para dizer qual será a finalidade do imóvel e deve ser solicitada na junta de freguesia local;
  • Ficha Técnica de Habitação: descreve todas as características técnicas do imóvel.

Como transferir dinheiro para Portugal para comprar imóvel?

Existem muitas formas de enviar dinheiro para Portugal, mas quando se trata de montantes elevados para remessas internacionais, é natural que existam muitas dúvidas. Entre as principais maneiras estão os bancos e as plataformas digitais.

Entre as plataformas de envio de dinheiro internacional, recomendamos especialmente a Wise e a Remessa Online. Ambas oferecem boas condições de envio e taxas baixas, se comparadas a outras instituições financeiras.

Geralmente as plataformas apresentam limites de envios para o exterior, para elevar o limite de envio, você precisa realizar o cadastro completo e comprovação de rendimento. Por exemplo, se você vender um imóvel no Brasil, pode enviar os comprovativos para conseguir elevar os limites e enviar um montante maior para Portugal.

Outra opção são os bancos no Brasil, você pode consultar o banco no qual tem conta e verificar as condições. Mas fique atento, além de taxas mais elevadas, a cotação da moeda pode não ser muito favorável pelas instituições bancárias.

Onde comprar casa em Portugal?

Apesar de ser um país pequeno, Portugal é bastante diverso, existem regiões mais ensolaradas, como o Algarve, regiões mais frias, como o Norte e regiões mais cosmopolitas, como Lisboa. Por isso, e preciso avaliar bem o que você pretende ao comprar uma casa em Portugal.

Uma dica é conhecer as cidades, ou seja, faça uma lista de possíveis locais onde gostaria de viver e passe um tempo em Portugal para conhecê-las. Assim, você consegue delimitar melhor o que agrada e o que está no estilo de vida que pretende levar no país.

Em cidades mais turísticas, como Porto e Lisboa, os preços são mais elevados, mas nos arredores dessas cidades é possível comprar imóveis bons, maiores e com melhores preços.

Se o objetivo é comprar um imóvel para investir, o ideal é que seja nos grandes centros, seja para aluguel de curta temporada ou para residência, são nas principais cidades que estão as grandes demandas e você pode conseguir um retorno mais no investimento.

Lisboa é mais caro para comprar casa em Portugal
Lisboa possui o metro quadrado mais caro para comprar casa em Portugal.

Descubra as melhores cidades para viver em Portugal de acordo com o seu perfil.

Autorização de residência através de compra de imóvel em Portugal

Dependendo do valor do imóvel que você pretende comprar em Portugal e da localização, é possível solicitar o visto de residência permanente ou Golden Visa.

Outra dúvida bem comum é se comprar imóvel em Portugal ganha cidadania, veja a nossa explicação sobre o assunto neste artigo. Se você precisa de ajuda para comprar casa em Portugal, desde encontrar a casa perfeita, encontrar a melhor solução de financiamento ou até mesmo rentabilizar o imóvel, indicamos obter ajuda de uma consultoria.

Vale a pena comprar casa em Portugal?

Sim.

Especialmente para quem pretende financiar. Em Portugal, o financiamento imobiliário é muito atrativo, vale mais a pena comprar um imóvel do que alugar. O valor mensal de um financiamento é menor que o pago nos aluguéis, que sofrem com a pressão turística.

Os juros do Brasil são elevados, especialmente quando se trata do financiamento imobiliário. Com taxas que chegam a quase 10% em alguns bancos, o valor do financiamento a longo prazo é imprevisível, podendo as parcelas aumentarem mais do que o previsto. Por outro lado, em Portugal, muitas instituições oferecem juros fixos ou mistos, nos quais é possível saber o valor a ser pago do início ao fim do empréstimo.

Se você pretende comprar casa em Portugal enviando todo o dinheiro da compra do Brasil, pode não ser a melhor escolha. Com o real a bastante desvalorizado as suas economias em Portugal podem se reduzir a valores bem baixos. Por isso, se for o caso, envie apenas o necessário para dar entrada e depois vá enviando aos poucos. Se você pretende trabalhar em Portugal, em algum momento vai começar a ganhar em euro e o valor das parcelas é bem leve no orçamento.

Mas no fim das contas, quem tem a resposta para esta pergunta é você, vale a pena para você investir em um imóvel em Portugal? Considerando tudo que apresentamos é possível conhecer melhor o panorama do país e avaliar as condições de compra antes de decidir.

Casas a venda em Portugal baratas, ainda existem?

Existem, mas é possível que você só encontre um imóvel barato em regiões mais interioranas do país. Nos distritos de Viseu, Vila Real, Beja – no Alentejo, entre outros, é possível encontrar imóveis a partir de 50 mil euros.

Em Viseu, por exemplo, encontramos um imóvel T2 com de até 70 m² a partir de 80 mil euros. Já em Évora, encontramos muitos imóveis de dois quartos entre 50 e 60 m² na faixa de 100 mil euros.

Mas você deve ponderar a qualidade de vida e oportunidades de trabalho nessas regiões, elas são menos desenvolvidas e pode ser um investimento ruim.

Outra possibilidade é comprar imóveis mais antigos em regiões melhores, um apartamento de dois quartos antigo, sem nenhuma reforma, no Porto, pode ser comprado por cerca de 100 mil euros. Você vai precisar investir no imóvel e fazer boas reformas, mas é uma boa oportunidade.

Dúvidas frequentes sobre comprar casa em Portugal

Separamos quatro dúvidas bem frequentes entre os nossos leitores para respondê-las de forma bem simples.

Quais os impostos na compra de casa em Portugal?

Pagar imposto ao comprar casa em Portugal é comum, assim como acontece no Brasil. Em Portugal, os impostos que incidem nesse tipo de transação são:

  • IMI – Imposto Municipal sobre Imóveis, pago anualmente;
  • IMT – Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, pago apenas na compra e sobre o valor declarado na escritura;
  • Imposto de Selo, incide sobre todos os documentos, contratos, títulos, escrituras, etc.

Como comprar casa em Portugal a partir do Brasil?

Você tem a opção de utilizar os sites específicos de compra e venda de imóveis, tais como:

Assim como pode procurar através das imobiliárias e contar com a ajuda de um corretor. Há também o projeto Chaves na Mão, que pode ser de grande ajuda para quem busca comprar casa em Portugal estando no Brasil.

Como comprar casa em Portugal sem renda?

Se souber como, me fala!

É difícil comprar casa em Portugal ou em qualquer lugar do mundo sem renda. Você precisar ter dinheiro suficiente para realizar a compra de um imóvel, seja ele à vista ou financiado. Portanto, precisa ter algum tipo de renda.

Como comprar casa a vista em Portugal?

Basta ter o dinheiro suficiente para realizar o pagamento do imóvel. No início deste artigo, listamos alguns documentos que serão necessários para comprar casa em Portugal. Você vai precisar apresentar um comprovante de onde vem esse dinheiro, assim como vai precisar utilizar plataformas de envio para fazer a remessa de dinheiro para Portugal. Por norma do Banco Central, as plataformas vão pedir para que você envie a sua declaração de imposto de renda para verificar se o dinheiro é legal.

Artigo originalmente publicado no site Euro Dicas

Investimento em Real Estate: Uma das Portas de Acesso ao Golden Visa Portugal

By | Artigos, Golden Visa, Imobiliário | No Comments

O Golden Visa Portugal é um caminho bastante atrativo para os investidores que desejam aceder ao Espaço Europeu e obter uma cidadania europeia. O programa Golden Visa de Portugal foi criado em 2012 para atrair capital estrangeiro e dinamizar a economia do país. Trata-se de uma autorização de residência para atividades de investimento (ARI) em troca de um investimento qualificado no país. 

Portugal oferece atualmente o melhor programa de Golden Visa da Europa, seja pela diversidade de opções de aplicação de capital, seja pelos valores mínimos de investimentos mais baixos do que os exigidos em outros países. Além disso, no programa português, o requerente não é obrigado a residir no país, sendo necessária, apenas, a estadia de 7-14 dias por ano em Portugal durante o período dos 5 anos de investimento. E após esse prazo de 5 anos, já é possível requerer a cidadania portuguesa.

Saiba tudo sobre o Golden Visa Portugal

 

Aquisição de bens imóveis: o investimento mais procurado

Entre as opções de investimento elegíveis ao Golden Visa, a mais popular ainda é a aquisição de imóveis em Portugal. Em 2021, os investimentos em Real Estate representaram um total de 87% das Autorizações de Residência para Atividade de Investimento (ARI) no país, de acordo com o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras).

 

Get to know the Golden Visa Portugal of 280 thousand Euros


Quais as restrições atuais quanto à localização/utilização de imóveis elegíveis ao Golden Visa?

A partir de 2022, algumas restrições foram impostas quanto à localização/utilização de imóveis para fins de pedido de Golden Visa. Passaram a ser inelegíveis os imóveis adquiridos para fins residenciais que estejam localizados em áreas de alta densidade populacional. Áreas urbanas, como Lisboa e Porto, ficaram disponíveis apenas para compra de imóveis com fins comerciais e turísticos. Anteriormente, não havia impedimento geográfico para essa modalidade. Para fins comerciais ou de serviços relativamente ao uso do imóvel não há impeditivo de localização, ou seja, é possível realizar o investimento imobiliário em todo o país. 

 

Quais os valores mínimos de investimento em Real Estate para obtenção do Golden Visa?

É possível habilitar-se ao Golden Visa através da aquisição de um ou mais imóveis cuja soma dos valores investidos seja de, no mínimo, € 500.000. Os imóveis vocacionados para habitação, como dito anteriormente, devem estar localizados em zonas do interior continental e das ilhas da Madeira e dos Açores. 

Contudo, este valor mínimo passa a € 350.000,00 quando se tratar de imóvel voltado para reabilitação. Nesses casos, o imóvel precisa ter mais de 30 anos ou estar localizado em Área de Reabilitação Urbana (ARU). Essa foi uma maneira encontrada pelo governo português para promover a reabilitação das cidades e dos imóveis antigos. As delimitações geográficas (para ARU) são estabelecidas por cada Câmara Municipal. 

Adicionalmente, os referidos valores podem ser reduzidos em 20%, caso a propriedade esteja localizada em zona de baixa densidade demográfica, o que também é definido pela autoridade pública (por lei). Desse modo, os valores mínimos podem chegar a €280.000 quando localizados em determinadas áreas e desde que o imóvel seja voltado para reabilitação.

Os Imóveis para comércio e serviços também precisam ter um valor mínimo de € 500.000,00. Nesse caso, não há limitação geográfica. O valor mínimo passa a € 350.000,00 quando se tratar de imóvel voltado para reabilitação e também nesse caso os valores podem ser reduzidos em 20% na hipótese do imóvel estar localizado em zona de baixa densidade demográfica.

 

Principais vantagens em investir no mercado imobiliário português 

Mesmo num cenário em que os imóveis habitacionais não são mais elegíveis ao GV nos grandes centros urbanos, entendemos que o investimento no mercado imobiliário ainda pode ser bastante interessante pelos seguintes motivos:

 

  1. Valores Atrativos: De uma maneira geral, os valores dos imóveis em Portugal são bastante competitivos face ao valor de imóveis semelhantes em outros países localizados na União Europeia, com possibilidade de retornos atraentes para os investidores, em moeda forte e num país de contexto estável;
  2. Turismo Competitivo: Portugal tem um turismo muito competitivo, não apenas na capital mas em todo o continente e nas ilhas. Num cenário de pós-pandemia, espera-se um retorno rápido e expressivo do turismo no país, com número já a superar valores de 2019. Assim, imóveis destinados a aluguéis para turistas podem apresentar boas taxas de retorno do investimento.
  3. Expatriados/Nomads: Portugal tem se tornado cada vez mais atrativos para expatriados com alto poder aquisitivo, que buscam imóveis para estabelecimento da sua moradia. De facto a maior parte visa fixar a sua residência nas cidades de Lisboa e do Porto, entretanto a procura por cidades menores ou pelas ilhas vem aumentando, assim como os esforços do Governo para povoação do interior do país.
  4. Demanda Interna: A demanda interna também esteve bastante aquecida nos últimos anos e assim continua, apesar do cenário de instabilidade internacional. Neste sentido, destaca-se que ainda não há oferta suficiente no país para atender as demandas interna e externa, em especial nas grandes cidades.  
  5. Juros baixos: Apesar da previsão de um aumento global nas taxas de juros, na Europa prevê-se uma subida de forma mais lenta e gradual comparativamente aos Estados Unidos ou Inglaterra. Em especial, em Portugal a Euribor de 12 meses passou de taxas negativas para 1% em 2022, com previsões para 2% até ao final de 2023, ainda assim valores bastante atrativos a nível mundial.
  6. Produtos atrativos para comércio/serviço nas grandes cidades: Com a alteração da lei que retirou a elegibilidade dos imóveis habitacionais nos grandes centros urbanos de Lisboa e do Porto, os investimentos para o GV em imóveis comerciais ou de serviços vem crescendo em oferta. Salas comerciais, lojas e galpões industriais são elegíveis para o GV e existem excelentes ofertas no mercado. Lembrando que esse tipo de operação, normalmente, está atrelado a um aluguel comercial, de longo prazo, garantindo uma rentabilidade para o investidor, além da valorização do imóvel.
  7. Produtos imobiliários destinados ao mercado de Hotelaria: O programa GV é responsável por um importante impulso para a renovação do parque hoteleiro de Portugal e o mercado oferece uma excelente oportunidade de investimento em diversas regiões do país, com destaque para o Algarve, Porto e Lisboa. O investidor GV pode adquirir unidades de hotéis, a partir de 280k, que serão reabilitados ou construídos, operados por grandes marcas como Hilton e Sheraton, e ainda desfrutar de férias durante o período de aplicação do GV. Um investimento interessante e com retorno, por vezes, garantido por uma operação de buy-back. Ademais, como se trata de imóveis com destinação comercial/serviço, os mesmos podem estar localizados grandes centros urbanos e serem elegíveis ao GV com as regras atuais. 

 

Deseja investir em imóveis em Portugal? A Atlantic Bridge te auxilia no seu processo de aplicação ao Golden Visa, fornecendo assessoria jurídica, consultoria imobiliária e de investimentos, necessários para uma operação tranquila e segura.

 

Fale agora com nossos consultores e saiba como investir em Portugal e obter o seu Golden Visa.

Prefere obter o Golden Visa através de aplicação em fundos de investimento? Conheça todas as vantagens desta modalidade clicando aqui.

Alugar Imóvel em Portugal: 8 Dicas Infalíveis

By | Artigos, Imobiliário, Portugal | No Comments

Viver em Portugal se tornou o desejo de muitos estrangeiros. Para facilitar a sua vida e te ajudar a ter sucesso nesta busca listamos 8 dicas sobre como encontrar um lugar para morar em Portugal e conseguir fechar o negócio

1. Não negocie valores

Em Portugal não existe a tradição de barganhar preços. O valor pedido costuma ser o valor final. Há alguma margem para negociação, mas ela é mínima e só se aplica em casos especiais. Durante a pandemia foi possível regatear, mas o cenário hoje é outro. “Você vai concorrer com inquilinos que estão a fechar negócio pelo valor pedido. Propostas agressivas não funcionam aqui”, explica Tiago Prandi, assessor da Indoors, empresa gestora de propriedades.

2. Entenda o valor dos aluguéis

Sim, viver nas grandes cidades está mais caro, não há como negar. Imóveis nos grande centros vão estar acima dos mil euros. Se você deseja um apartamento dos sonhos em Porto e Lisboa, com detalhes e serviços de luxo, os valores vão facilmente ultrapassar os dois mil euros. Entretanto, são preços até 40% menores que os cobrados em Madrid e até um quarto do valor cobrado em San Francisco, nos Estados Unidos.
Atualmente, alugar um imóvel confortável, com dois quartos, na zona central de Lisboa está custando, em média, 1.500 euros. Por outro lado, cidades menores como Braga, Aveiro, Coimbra ou nas ilhas (Açores e Madeira), podem ter o custo de moradia até 50% mais baixo. Como existe muita variação de preços, o mais recomendável é conversar diretamente com um consultor especializado, de modo a obter informações mais precisas.

3. Defina bem o que busca

Antes de começar a procurar, pense no que deseja: que tipo de pessoa você é e que vida quer ter? Tem um perfil mais cosmopolita e gosta da agitação? Ou quer algo mais sossegado? Procure entender a dinâmica da cidade, verifique se o bairro escolhido oferece escolas e serviços que te interessem. Se o transporte for uma prioridade, tente descobrir se a região é bem servida em termos de saídas para rodovias, se há paradas de ônibus ou metro. Tem carro? Onde o estacionará e quanto pretende gastar em combustível? Enfim, seja assertivo e busque especificamente aquilo que realmente poderá te interessar. Isso irá poupar tempo seu e dos outros envolvidos na busca.

4. Seja rápido na decisão

Olhou um imóvel e gostou? Feche o negócio o quanto antes. Evite marcar visitas com muitos dias de antecedência. A realidade atual do mercado de aluguéis em Portugal não dá muita margem para pensar: no mesmo dia em que um imóvel é disponibilizado para o mercado ele já começa a receber interessados e, em poucos dias ele já estará indisponível. 

5. Tenha a documentação já preparada

Para ganhar tempo, também é recomendável já ter toda a documentação necessária já separada para não correr o risco de atrasar e perder uma oportunidade boa. Na Atlantic Bridge podemos oferecer uma assessoria para que você não perca um bom negócio devido a erros na sua documentação. Se quiser falar conosco, clique aqui.

Para concretizar a locação são necessários: um comprovativo de renda (como holerites, declaração do imposto de renda ou extratos bancários) e um documento de identidade. 

Além disso, grande parte dos senhorios exige fiador e caução. Sim, ter um fiador pode ser decisivo para fechar negócio. Fiador é a pessoa que garante o pagamento da dívida, caso o devedor principal não pague ao credor.  “Costuma-se pedir 3 meses de aluguel adiantado, mas pode chegar a mais: os senhorios têm muito medo que estraguem seu imóvel ou fiquem a dever”, esclarece Cátia Ferreira da Zome Prime Abóboda, em Lisboa. Caso não tenha fiador, o proprietário poderá pedir até um ano de aluguel antecipado.

Uma opção pode ser criar uma conta corrente caucionada, onde o locatário deposita um valor previamente acertado com o proprietário para ser utilizado em caso de necessidade e danos à propriedade, sugere Tiago Prandi, da Indoors. 

6. Seja gentil com o corretor imobiliário e com os proprietários

Essa dica é preciosa. Em muitas empresas, o corretor imobiliário só é remunerado quando o negócio é concluído. No caso dos contratos de aluguel, essa remuneração costuma ser baixa, quando comparada às transações de compra e venda. No entanto, o trabalho despendido pelo agente é quase o mesmo: buscar um imóvel, agendar as visitas, acompanhar o cliente… Por isso, procure manter uma relação cordial e respeitosa com o profissional da área. Essa atitude pode ser de grande valia. O mesmo se aplica aos senhorios: eles podem escolher com quem fechar negócio. Se eles simpatizarem com você tudo será mais fácil. Transmita uma imagem de tranquilidade e responsabilidade. Ninguém gosta de inquilinos complicados.

7. Honestidade acima de tudo

Seja sempre honesto com o agente imobiliário e o senhorio. Por exemplo, não adianta esconder que possui animais, pois mentir pode gerar quebra no contrato e até multas. Caso deseje adquirir animais após a formalização do contrato, consulte o proprietário e lhe peça autorização.

Uma dica para quem tem pets ou crianças pequenas é buscar imóveis sem mobília, pois o risco de danos é menor, sendo mais fácil de serem alugados.

8. Contrate uma assessoria

Se não conhece a cidade ou não quer perder tempo buscando um imóvel com características específicas, uma dica é contratar os serviços de uma assessoria especializada. Com conhecimento profundo de localização, um bom assessor pode sugerir bairros mais indicados para você. Estes profissionais traçam o seu perfil, apresentam o mercado, dão aconselhamento e buscam, de modo preciso, aquilo que você precisa. 

Caso deseje um imóvel em uma determinada zona da cidade, eles também entram em contato com todas as corretoras que possuem produtos disponíveis na área e selecionam aquilo que pode te interessar mais. É mais prático, rápido, assertivo e seguro. Para quem reside no estrangeiro, o serviço é ainda mais precioso, pois as assessorias muitas vezes promovem vídeo chamadas entre clientes e senhorios, estreitando as relações e simplificando os processos.

Se você deseja morar ou investir em Portugal, fale conosco.

Saiba ainda mais sobre arrendamentos em Portugal

Como funcionam os contratos de aluguel?

Por norma, os contratos de aluguéis têm duração mínima de um ano, podendo ser renovado automaticamente por até 3 anos. Após esse período é preciso fazer um novo contrato. Também podem ser celebrados por períodos mais curtos, se for de comum acordo entre as partes. Quando o contrato chega ao fim, é preciso negociar novamente com o proprietário.
O inquilino deve cumprir pelo menos ¼ do tempo estipulado em contrato para não ser penalizado. 

Reajustes nos valores

No que se refere aos reajustes de preços, de acordo com o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), o valor das rendas poderá ser atualizado anualmente, de acordo com o índice da inflação. O coeficiente de atualização de rendas é calculado anualmente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Atualmente esse coeficiente é de 0,43% Vale destacar que o aumento não é obrigatório nem automático: o proprietário decide se irá praticar o reajuste após um ano de contrato. Se for o caso, deve comunicar o locatário através de carta registrada com 30 dias de antecedência. 

Qual a tipologia mais procurada em Portugal?

Atualmente, os imóveis com dois quartos (T2) são os mais procurados para arrendamento, seguido dos de 3 quartos (T3). Propriedade de quarto e sala ou estúdio (T1 e T0) vêm na terceira colocação.

 

Deseja viver num dos países com a melhor qualidade de vida do mundo? A Atlantic Bridge pode te ajudar em todas as etapas da sua jornada para Portugal. Entre em contato com os nossos consultores!

Conheça o Golden Visa Portugal de 280 Mil Euros

By | Artigos, Golden Visa, Imobiliário | No Comments

No início de 2022, entraram em vigor as novas regras do Golden Visa Portugal. As alterações foram pequenas, mas impactaram investidores que desejavam adquirir imóveis localizados em determinadas áreas do país como no Algarve, Porto e Lisboa. Isso ocorreu porque certas regiões, com alta densidade populacional, deixaram de ser elegíveis para investimento imobiliário com fins habitacionais. O objectivo do governo ao alterar as regras foi reduzir a pressão sobre o sector imobiliário, protegendo o mercado de habitação. No entanto, as áreas costeiras que deixaram de estar elegíveis para Golden Visa, apenas não permitem investimentos em propriedades residenciais, deixando outro tipo de propriedades ainda elegíveis, como é o caso de Serviços e Indústria. Desse modo, iremos mostrar que ainda é possível comprar imóveis nestas zonas e com um valor tão baixo quanto 280 mil euros!

Neste artigo vamos apresentar um empreendimento imobiliário com este valor, sendo elegível para o Golden Visa Portugal e situado na cidade de Lagos, no Algarve, uma das zonas mais rentáveis do país! E tudo isso com a assinatura de um grupo líder no mercado e conhecido por oferecer projetos de investimento imobiliário únicos e seguros em Portugal. 

Golden Visa por 280 mil euros

Apesar do nome, o Golden Visa não é um visto, mas sim uma autorização de residência para atividade de investimento. O Programa Golden Visa Portugal oferece diversas rotas de investimento, incluindo o investimento imobiliário. O valor mínimo investido nessa modalidade pode chegar a 280 mil euros, mas, para isso, é preciso que o bem imóvel a ser adquirido esteja localizado numa área de baixa densidade populacional e que esteja situado em uma ARU- Área de Reabilitação Urbana (ou ainda que possua mais de 30 anos de construção e o comprador se comprometa a realizar reabilitações). Esse é o caso do imóvel que apresentamos a seguir.

Conheça Outras Opções de Investimentos Elegíveis ao Golden Visa Portugal

Empreendimento no Algarve

Em um dos melhores destinos de verão da Europa será instalado um empreendimento composto por 2 hotéis localizados na cidade histórica de Lagos, situada no belo Barlavento Algarvio: 1 hotel de categoria 4 estrelas, com 180 quartos e um hotel de categoria 3 estrelas, com 90 quartos (sendo 27 deles no modelo apart-hotel). Esta oferta passa pela compra de uma percentagem da propriedade total (inclui os 2 hotéis) em modo de compropriedade.

Trata-se de uma grande escolha e uma oportunidade única, dirigida a potenciais clientes que estejam interessados em obter o Golden Visa Portugal através de um investimento de 280 mil euros, o menor possível no âmbito imobiliário do programa.  O empreendimento qualifica-se como projeto comercial turístico e, portanto, enquadra-se na nova  legislação de Golden Visa de Portugal em 2022.

Este novo projeto será gerenciado por uma rede hoteleira mundialmente reconhecida e é a oportunidade ideal para investidores da Golden Visa que procuram obter uma participação em um projeto seguro com uma estratégia clara de saída. O período mínimo de investimento é 6 anos, com contrato de recompra ao mesmo valor a partir do momento que não precisa mais da propriedade para efeitos de Golden Visa. Além disso, quem adquirir este investimento não terá que pagar o IMT (imposto de compra e transmissão de titularidade), IVA (Value Added Tax) e IMI (imposto do concelho), que serão suportados pela empresa promotora.

Esse investimento é indicado especialmente para investidores que não podem ou não desejam residir em Portugal neste momento, mas que querem obter uma cidadania Portuguesa e acesso à Europa.

O período de financiamento é de fevereiro a julho de 2022. Estima-se que o hotel já esteja a operar no verão de 2024. Os proprietários do investimento poderão se hospedar no hotel gratuitamente, 7 dias do ano, o número de dias que precisa passar em Portugal para manter o investimento, segundo as regras do Golden Visa.

Características do Investimento

  • Elegível para o programa Golden Visa Portugal
  • Investimento de EUR 280k
  • Período de 6 anos de investimento
  • Localizado no Algarve
  • Garantia de compra pelo mesmo valor
  • Gerenciamento por grande rede hoteleira
  • Isenção de IVA, IMT e IMI
  • Sem custos de condomínio e manutenção
  • 7 dias de hospedagem grátis ao ano

Saiba Tudo Sobre o Golden Visa Portugal

Detalhes da propriedade

  • Dois hotéis
  • Piscinas
  • Ar condicionado e aquecimento
  • Jardim submerso
  • Estacionamento
  • Área de recepção
  • Terraço / varanda
  • Parque infantil
  • Ginásio
  • Vista Mar
  • Exposição solar ao amanhecer e ao entardecer
  • Perto de bares, restaurantes, escolas, lojas, praia e campo de golfe

Por que investir no Algarve?

Há muitos anos o Algarve é tido como um destino preferencial para quem gosta de golfe e de praia. Mas não apenas isso. Em 2020, a Revista Forbes classificou a zona do Algarve como o melhor destino do mundo para viver e se aposentar após a pandemia de covid19.  Seu clima ameno e suas praias paradisíacas são um convite ao mundo. Também foi considerado o 6º melhor lugar do mundo para investir em imóveis, segundo ranking da International Living. Com boa qualidade de vida, aeroporto internacional, bons hospitais e escolas, o cenário está completo!

Deseja investir no Marina Lagos? Fale agora com nossos consultores!

Vantagens do Golden Visa Portugal

  • Variadas opções de investimentos
  • Valor mínimo de investimento de apenas 280 mil euros
  • Livre circulação no Espaço Schengen sem necessidade de visto
  • Residência em Portugal possível, mas não obrigatória
  • Reagrupamento familiar
  • Cidadania Europeia ou Autorização de Residência definitiva após 5 anos de investimento
  • Possibilidade de obtenção do Passaporte Português (5º mais poderoso do mundo)

 

Golden Visa Portugal: desempenho ao longo da história

Criado em 2012, o Programa Golden Visa Portugal já beneficiou 10.510 investidores e 17.498 familiares que foram reagrupados. A aquisição de imóveis foi responsável por 9.780 das concessões de Golden Visa no país. O maior número de investidores é proveniente da China e do Brasil, mas um grupo vem se destacando nos últimos meses: os americanos. Em 2020, foram concedidos 75 ARI a americanos, no total. Em 2021, esse número subiu para 101. E agora em 2022, em apenas três meses, já foram concedidas 52 ARI para solicitantes provenientes dos Estados Unidos.

Se considera morar ou investir em Portugal, fale com nossos consultores e descubra qual o visto mais adequado ao seu perfil. Nossa equipe está a postos para tirar todas as suas dúvidas. 

 

Porto View: O Melhor Investimento do Porto

By | Imobiliário | No Comments

Porto View é Strong Buy por ser um ativo único e versátil com retorno excepcional

Este é o relatório mais completo que já fiz, mostrando uma análise de mercado do Porto, do empreendimento, do ciclo econômico, estratégia recomendada e retornos possíveis. Se “está sem tempo, irmão”, leia essa primeira página e depois pule direto para o final (aproveite para ver as fotos), onde encontrará o telefone e e-mail de quem pode explicar tudo rapidinho, sem leitura.

O Porto View é lançamento imobiliário do ano. Empreendimento que reúne características que conferem versatilidade de uso, diferenciais que o tornam único e com rentabilidade excepcional.

É único por ter localização perfeita para conhecer toda a cidade a pé, para apreciar o mais épico pôr do sol com vistas da cidade na privacidade da varanda do apartamento ao final do dia e depois sair de novo a pé para balada. 

Se diferencia também por um dos arquitetos mais premiados do país – José Gigante – e pela segurança de um dos maiores fundos europeus de investimento imobiliário – Firce Capital.  

É versátil porque pode servir de base de exploração do brasileiro que conhecer a Europa a fundo, ficando a exatos 18 minutos do aeroporto com voos de €30 a €150 para as principais cidades do velho continente, rendendo dinheiro quando o proprietário está fora – ao invés de ser uma draga de recursos.

É perfeito também para o investidor, sendo uma verdadeira máquina de fluxo de caixa, pelos diferenciais de localização, arquitetura e vistas, para gerar retornos acima de 1% ao mês no aluguel – nos famosos casos em que o próprio imóvel pode pagar o financiamento – ou 42.000 Euros na revenda.

Porque as vistas do Porto View são decisivas

As imagens que marcaram minha vida de turista estão todas relacionadas com vistas. É a imagem do do pôr do sol no Jardim do Morro – Ponte Luís I no Porto, que parece photoshop de tão perfeito que é. Do alto do Castelo de São Jorge em Lisboa. Da lua refletida no mar no quarto de andar alto do hotel em Miami. Do alto da famosa Tunnel View de Yosemite que deixa espantado o mais tranquilo espectador. 

É pura mágica. Fica na mente. Não é à toa que Torre Eiffel, London Eye, Ponte Luís I e Castelo de São Jorge são atrações turísticas que recebem milhões de visitas anualmente. São vistas que fazem o turista ter a agradável sensação de entender e dominar toda a beleza e complexidade ao seu redor.

E por isso que imóveis com vistas tem o maior faturamento. As estatísticas comprovam que os apartamentos com maiores rentabilidades da cidade sempre apresentam vistas, exatamente como a do Porto View.

Vista Porto Vivo

Um apartamento nesse empreendimento permitirá ao sortudo turista ou proprietário ter a agradável sensação de entender e dominar a cidade com comodidade e privacidade, sentado na sua varanda, tomando um bom vinho. Não há sensação melhor. 

Para o investidor é mais retorno e segurança de ter um imóvel sempre ocupado.

Porque a localização do Porto View é especial

Aqueles cabritos de montanha se sentiriam bem no Porto.  Em essência é uma série de escarpas e colinas. Não tem outro jeito de descrever. É um sobe e desce contínuo que cansa se não for bem administrado. 

O segredo é começar de cima e ir descendo em zigue-zague nos dois lados da Av. dos Aliados, entre a Santa Catarina e o Bolhão de um lado, e Almada, Cedofeita e Clérigos, do outro lado. No final junta tudo na Sé, Rua das Flores, Rua Mouzinho da Silveira, Palácio da Bolsa até chegar na Ribeira. 

O Porto View é especial porque está “lá em cima” na Trindade. Para o turista é só pôr o pé para fora que já estará no local certo para começar. Na descida todo santo ajuda. 

Chegando lá embaixo, não deve ousar desafiar as colinas na volta. Os 5 Euros do Uber serão muito bem gastos para devolver na porta do apartamento, ou é só pegar o metrô da São Bento ou Jardim do Morro em Gaia e descer na estação Faria Guimarães que fica colada ao prédio. 

Muito marinheiro de primeira viagem acha que o melhor local para ficar na cidade é na Ribeira, que fica “lá embaixo”. Não demora muito para aprender que será uma batalha diária colina acima e com a experiência, da próxima vez, passará a se hospedar “lá em cima”, onde é mais cômodo e mais barato.

Porque todo mundo se apaixona pelo Porto e o turismo não vai acabar na cidade

O Porto é bom, bonito e barato. Ganha prêmios internacionais toda hora (é bom). Tem uma arquitetura única, rio e mar em um mesmo local, mantido totalmente limpo (é bonito) e seguro. E é um dos custos mais baixos de toda a Europa (é barato), incluindo centenas de voos diárias low cost de toda a Europa e mundo.

Os prêmios se amontoam na sala do prefeito. Melhor destino turístico europeu eleito pelo European Consumers Council em 2015, 2016, 2017 e 2018. Um dos 20 destinos a se visitar em 2020 eleito pela Revista Travel & Leisure. Melhor cidade para se viver eleita pela Time Out Magazine em 2018 e ainda por cima um dos menores custos de vida da Europa de acordo com a Expatistan 2019.

O José Avillez, nosso Gordon Ramsay, além de cansar de mudar as palavras para poder ser entendido no Meste do Sabor da Globo no Brasil, está também cansado de participar de inauguração de restaurantes novos na cidade. São novos restaurantes e lojas, mas tudo muito artesanal e muito pessoal, no Tuga Way of Life. Um verdadeiro charme. 

Aquele reclamão das manifestações de Paris pertence a um grupo econômico, da família europeia, que ganha na média quase 40.000 Euros por ano. Abra os olhos porque são 500 milhões pessoas neste grupo. 

Você não acha que pelo menos 50% dos 500 milhões não tem €250 per capita para dar uma escapadinha de fim de semana para um lugar bom, bonito e barato como o Porto?  E que esses mesmos 50% não tem €1.000 per capita para passar 10 dias conhecendo Portugal? 

E que além de todo o público da Europa, ainda há mercado das Américas e Ásia para complementar? 

O mercado consumidor de turismo é simplesmente gigante e não para de crescer no Porto, onde são mais 12 milhões por ano só no aeroporto (duplicação em andamento!), com crescimento de 130% nos últimos 7 anos, tendo sozinho o dobro de turistas estrangeiros em comparação ao Brasil.

Com essa proposta do bom, bonito e barato, o turismo do Porto ainda vai longe. 

Porque o consumo de turismo é uma tendência para ficar

O fenômeno do turismo é daquelas tendências geracionais, de longo prazo, devido à democratização da viagem e à mudança de comportamento de consumo. 

Prepare a menor mala de viagem de sua vida e aproveite. As empresas de aviação inventarem os voos de baixíssimo custo, onde cada centavo de gastos é escrutinado, que até a impressão da passagem é cobrada e os agentes de embarque são verdadeiros snipers de malas para despachar, e assim oferecem passagens acessíveis à maioria dos mortais, como, por exemplo, um voo Porto a Barcelona por €30, ida e volta. 

Cozinha Porto View

No Brasil, o fenômeno dos voos low cost ainda é só uma ameaça e entendo que às vezes é difícil compreender, porém é uma realidade consolidada no velho continente.

Aquelas 3 horas que a influencer passa na praia em Ibiza para tirar a foto perfeita mudou as aspirações das pessoas em geral. Aquele negócio de mostrar o álbum para o amigo, coitado, é coisa do passado. 

A compra de casa e carro já virou sonho inatingível e a grana é para as experiências, com prioridade para viagens, passeios, restaurantes e muita foto no Instagram. 

A mudança de comportamento e o custo acessível são como gasolina e fogo reunidos para criar a explosão do turismo mundial.

E a competição?

De todos os fatores de risco, esse é o mais sério. Pode chegar um excesso de oferta de quartos de hotel para pressionar o mercado. No Porto é menos provável, porque o centro histórico praticamente não tem mais terrenos disponíveis, mas não se engane, porque acontece em todas as regiões e segmentos. 

Quem não se lembra da inundação de flats na década de 90 ou das salas comerciais da década de 10 no Brasil? Quem quer estar no imobiliário de alto desempenho, não tem como fugir desse risco, mas tem como gerenciá-lo. 

Eu tenho experiência nisso e é com grande convencimento que digo que a única característica que salva é a qualidade do imóvel. Precisa ser bem localizado, precisa ter diferenciais relevantes e bons acabamentos.

Nenhum prédio comercial de qualidade na Faria Lima ficou vazio, por exemplo. E os flats nos Jardins rendem que é uma beleza até hoje.

Quem não tem qualidade e diferencial, vai ter que fugir da raia. Os primeiros imóveis que entraram no mercado português serão os primeiros a pedir água. São desconfortáveis porque foram reformados nas coxas, tem decoração genérica e não apresentam nenhum apelo que não seja o preço.

Não se preocupe com eles, pois custaram muito pouco para os donos originais. Mas tome muito cuidado para não comprar esse limão agora. O destino deles é aluguel de longo prazo, uso próprio ou venda – geralmente no pior momento.

Eu não quero isso para meus leitores, então não importa se não comprar o Porto View, dê preferência para qualidade que seja tão óbvia que qualquer um percebe nas fotos do anúncio no AirBnB. Só assim para não ser obrigado a vender quando tiver um soluço.

Mas é por isso que me entusiasmo com o Porto View. Tem o diferencial das vistas, da localização com tudo a pé e do arquiteto de renome. Três em um único empreendimento é para pedir música no Fantástico. É um produto extremamente resiliente que não irá sofrer em nenhum momento de mercado.

Terraço Porto View

Porque o preço do Porto View é muito bom

Os promotores me desafiaram: – “Você não vai encontrar imóvel mais barato que o Porto View no centro histórico. Pode procurar à vontade”.

Fui atrás só para contrariar. Entrei no meu site preferido – idealista.pt – esquece os outros, este é melhor, onde estão todos os anúncios e com o melhor sistema de procura no mapa. 

Escolhi casas no distrito do Porto, concelho do Porto, região do centro histórico (Cedofeita, Santo Idelfonso, Sé, Miragaia, São Nicolau, Vitória), “nova construção”. 

A listagem deu 143 imóveis com preço médio de €3.808 por m2. Comecei mal porque o Porto View tem produto de €2.650 por m2. Olhei cada lançamento e cada anúncio.

Finalmente achei o primeiro concorrente por €2.400 Euros por m2, mas logo descubro que a área inclui o jardim. Truque barato. Incluindo os jardins, o Porto View cai para menos de €2.000 por m2. Tive que excluir.

Outro empreendimento por menos de €2.650 por m2. Era bom demais para ser verdade. Dessa vez incluía terraço. Era na verdade caro para caramba. Outra jogada velha para reduzir o preço por metro quadrado. 

Eu queria qualquer empreendimento por menos de €2.650 por m2 de ÁREA BRUTA COBERTA PRIVATIVA. E assim passei as próximas horas em vão para descobrir que não havia nada parecido mais barato na cidade.

Mas o que já parece barato é na verdade mais barato ainda. Apartamentos similares na cidade, ou seja, aqueles com vistas têm preço ainda maior.

Nessa comparação fiquei sabendo que o Porto View é muito mais barato que o segundo colocado, que tem preço de €3.511 por m2. Sem falar que na cidade inteira tinham apenas 7 opções de imóveis com alguma vista. 

Sala Porto View

O Porto View é realmente um ativo raro que está 25% mais barato que o segundo empreendimento mais em conta da cidade.

Porque o retorno na revenda é excepcional

O melhor negócio em um mercado aquecido como o de Portugal é incorporar, o segundo melhor é ficar sócio do incorporador através da compra na planta com desconto sobre o valor de mercado.

Como ficou claro pelo levantamento acima, o Porto View tem grande potencial de valorização só pelo fato de estar sendo vendido barato. O lucro potencial antes do imposto de renda e comissões é de €42.000, considerando que imóveis com vista são vendidos por pelo menos €3.300 por metro quadrado.

Esse número não leva em consideração qualquer valorização do mercado em si. É realmente só por comprar barato no momento certo. E não pense que o construtor está querendo fazer caridade. Ele precisa vender rápido para ter dinheiro suficiente para construir sem investimentos adicionais.

É com o dinheiro adiantado pelos clientes que a obra vai andar e o retorno sobre o capital do construtor vai ficar interessante.

Não se preocupe se ele não vender. Não vai ser problema, pois além de ter 30% dos apartamentos vendidos em 1 semana, o dono é um fundo europeu com mais de €2 bilhões no bolso (FIRCE Capital). 

Quarto Porto View

Tenha em mente, contudo, que a busca por maiores retornos do construtor é sua melhor amiga. Ele quer vender rápido para não ser obrigado a pagar a obra do bolso, portanto, precisa dar descontos polpudos. 

Porque o retorno no aluguel é excepcional

A PriceWaterouseCoopers (PwC) espera que a receita média diária de um quarto de hotel no Porto fique em €82 em 2019 . Em outras palavras, cada quartinho no Porto renderá em média €82 por dia x 365 dias, resultando em um faturamento de €29.930.

Convenhamos que um apartamento com mais que o triplo do tamanho e com todas as comodidades de sala ampla, cozinha completa, banheiros e varandas espaçosos, como o Porto View tenha um desempenho similar ao de um quarto de hotel com menos de 20 metros quadrados. 

Supondo que um enorme apartamento do Porto View tenha o mesmo desempenho de um quarto de hotel de 20m2, o lucro líquido seria de €15.000 por ano, mas depois da última pisada de bola da PwC na entrega do envelope de melhor filme do Oscar em 2017, eu nunca mais consegui confiar neles. 

Brincadeiras à parte, eu prefiro sempre fazer uma checagem com a fria realidade das ruas. Para mim, a média de diária por pessoa – ajustada para a sazonalidade – oferecida no AirBnB e Booking em um raio de 500 metros do imóvel é a melhor forma de conseguir uma boa estimativa de faturamento. 

Dentro deste critério, e sem levar em consideração os diferenciais do Porto View, a diária média seria de €91 com ocupação de 80%, resultando em uma receita por apartamento de €72 por noite (menor que os €82 da PwC).

Receita Anual26.572 €
(-) Fixas (Utilities, manutenção, etc)-4.750 €
(-) Variáveis (comissão, limpeza, lavanderia, etc)-4.596 €
(-) Gestão-4.306 €
(=) Resultado operacional12.919 €
(-) Impostos-194 €
(-) Juros0 €
(=) Resultado líquido12.725 €
Investimento184.225 €

 

Ainda assim, o resultado líquido ficaria em €12.725, sem fazer absolutamente nada a não ser conferir o extrato, pois a gestão será totalmente terceirizada. O retorno líquido de 6,9% ao ano quase 40% maior que a média de imóveis na planta para turistas na cidade.

Com financiamento é possível elevar este retorno para mais de 1% ao mês. É só financiar pelo menos 55% da aquisição. É certo que o lucro líquido reduzirá para €11.079, porém o investimento cairá ainda mais, e o retorno subirá para 12,8% ao ano ou mais de 1% ao mês.

Receita Anual26.572 €
(-) Fixas (Utilities, manutenção, etc)-4.750 €
(-) Variáveis (comissão, limpeza, lavanderia, etc)-4.596 €
(-) Gestão-4.306 €
(=) Resultado operacional12.919 €
(-) Impostos0 €
(-) Juros-1.684 €
(=) Resultado líquido11.235 €
Investimento Total87.975 €

 

É importante ressaltar que o valor financiado na escritura independe do quanto já se pagou diretamente aos construtores. O cronograma de pagamento do Porto View é de 7 parcelas de 10% cada durante a obra, porém mesmo assim o banco pode financiar até 70% da aquisição na escritura (até 90% para portugueses ou residentes), o que na prática significa receber dinheiro de volta no momento da escritura. 

Este é um caso clássico em que o aluguel do imóvel pode pagar a prestação do financiamento do imóvel sem nenhum problema, mesmo nos casos em que o financiamento seja de 70% e a duração do empréstimo de apenas 13 anos.

Porque o retorno em Euros é totalmente diferente do retorno em Reais

Ter um retorno de 1% ao mês é bom em qualquer local no mundo, mas é importante entender que não dá para comparar os retornos em Euros com Reais.

O Euro é moeda forte que mantém valor no decorrer do tempo por ser lastreada pela economia de 27 países com mais de 500 milhões de habitantes. Nos últimos três anos, o Euro valorizou 34% sobre o Real. 

Quem investiu em imóveis em Portugal não só teve o efeito da valorização dos imóveis, como também ganhou 34% no poder de compra da moeda. São comuns casos em que o retorno total superou os 70% no período.

Todo portfolio merece um percentual em moeda forte, seja para manter o poder de compra ou para ser uma reserva de valor de emergência se as coisas não correrem bem no Brasil.

Como se posicionar para o momento atual de mercado

Para quem entende de ciclos econômicos e está preocupado com o que pode acontecer pela frente, eu tenho dois comentários.

Não tente prever os ciclos. É perfeitamente possível saber a direção, porém impossível saber o momento da virada. O mais importante é sempre se posicionar em bons produtos e nunca quebrar para poder continuar investindo no mercado. 

Para isso use somente o dinheiro que está sobrando para investir. Se o banco falhar no financiamento, não tem problema, pague com recursos próprios. Se o mercado falhar na revenda, não tem problema, espero até os preços voltarem e até aproveite para comprar mais imóveis mais baratos.

Na pior crise da história recente, os preços começaram a reagir em 3 anos. E lembre-se que o turismo pode falhar por 1 ou 2 anos, porém também sempre volta com força, porque é uma decisão de estilo de vida. 

Para quem quer saber onde estamos no ciclo, o mercado europeu está três anos atrasado em relação aos EUA. A crise baixou por lá em 2008 e por aqui em 2011. O mercado americano só agora começa a dar sinais de falta de fôlego nos preços, porém ainda sem queda relevante de preços. 

Temos alguns anos de mercado forte pela frente. Colocando em contexto, alguns anos podem representar uma valorização expressiva (que não está em minhas contas). Nos últimos dois anos o preço do metro quadrado médio vendido no Porto subiu 47%. 

Ainda há uma grande avenida de valorização pela frente que continuará sendo trilhada enquanto o emprego estiver em alta, juros em baixa e o turismo crescente.

Informações adicionais

Não coloquei as informações sobre preços, tamanhos e condições de pagamento de propósito. Assim você vai poder conhecer o incomparável e simpático Rafael Nunes da 100 Domus – maior imobiliária do Porto – que terá o prazer de passar todos os detalhes. 

E pode deixar que nós da Atlantic Bridge daremos toda a retaguarda na parte jurídica, tributária e financeira que precisar.

 

 

Contato

Rafael Nunes

Telefone: +351 912 896 446 (tem whatsapp!)

E-mail: rafael.nunes@100domus.pt

Autor: Marcio Fenelon
Investimento Imobiliário

Disclaimer
O relatório reflete única e exclusivamente a opinião pessoal do especialista.
O estudo é baseado em informações disponíveis ao público, consideradas confiáveis na data de sua publicação. 
O conteúdo contém estimativas baseadas em expectativas que estão sujeitas a mudanças e que podem não se confirmar.
Os destinatários devem fazer suas próprias análises e tomar a decisão de investimento única e exclusivamente com seu próprio julgamento. 
Embora o relatório seja gratuito, a Atlantic Bridge estabeleceu parceria para receber remuneração caso haja concretização de negócio.

Novas regras para imóveis para turistas em Portugal: saiba tudo

By | Artigos, Imobiliário | No Comments

Portugal foi durante muito tempo uma aberração imobiliária. Em uma tradição que remonta ao começo do século passado, a balança dos direitos pendia para o lado dos inquilinos, tornando o aluguel residencial um dos piores negócios que existiam em terras portuguesas.  O panorama mudou em 2012 com a introdução de uma nova lei de inquilinato, e mudou tanto que atualmente as Câmaras Municipais estudam a contenção e suspensão de imóveis destinados à exploração turística com as novas regras para imóveis para turistas em Portugal. Saiba tudo abaixo.

Novas regras para imóveis para turistas em Portugal: como era antes da Lei de Inquilinato

Antigamente, em Portugal, os contratos não eram passíveis de reajuste. O inquilino permanecia no imóvel, mesmo após o vencimento do contrato, passando o “direito” para os filhos. Os aluguéis sem correção perdiam valor perante à inflação, tornando-se irrisórios a ponto de não justificar que o proprietário fizesse qualquer manutenção.

Sem poder retirar os inquilinos e tendo que lidar com a bizarra figura jurídica da hereditariedade do contrato de aluguel, o proprietário se via em um círculo vicioso de aluguéis simbólicos e imóveis degradados, sem manutenção.

2012: Nova Lei de Inquilinato

A Nova Lei de Inquilitato entrou em vigor em 2012. A partir de então, o proprietário já pode retomar o imóvel no vencimento do contrato. Melhor ainda, pode pedir a saída de inquilino para uma reforma completa.

A mudança do ambiente regulatório foi essencial para que o centro histórico de Lisboa e do Porto fossem renovados e alugados para turistas, que desde então não param de chegar em voos low cost e através das plataformas digitais de compartilhamento, como o Airbnb.

Alojamento local em ascensão

O movimento foi tão vigoroso que o governo resolveu reconhecer e regulamentar o setor, que passou a ser conhecido como “alojamento local”. Foram criadas regras de segurança, impostos, controle de hóspedes estrangeiros e registro nas câmaras municipais (prefeituras).

O sutil detalhe é que ninguém podia barrar a criação de um novo alojamento local. Era só comunicar às câmaras municipais e começar a faturar. Eventualmente haveria fiscalização, porém o início era imediato.

Começaram a chover reportagens na mídia impressa e televisiva dos antigos inquilinos sendo retirados. Com um imenso conflito de identidade, Portugal amava o dinheiro do turismo, porém detestava o despejo das pessoas.

Depois de anos de reclamação, o governo resolveu aumentar os impostos sobre o alojamento local, como forma de frear o setor, para depois passar o controle da instalação de novos alojamentos locais para as câmaras municipais, incluindo poder de veto.

Se está nos seus planos investir em imóveis em Portugal, sugerimos a leitura desse artigo.

Lisboa: suspensão e regulamento de zonas de contenção

Imediatamente, em novembro de 2018, Lisboa bloqueou a instalação de novos alojamentos locais em áreas com grande presença turística: Bairro Alto, Madragoa, Castelo, Alfama e Mouraria, para seis meses depois incluir no bloqueio, a Graça e Colina de Santana.

Ao mesmo tempo, colocou em audiência pública um novo regulamento, que ainda está em tramitação, prevendo que áreas em que o alojamento local represente mais de 10% dos imóveis sejam consideradas de contenção (relativa ou absoluta). Nesses locais só é possível a instalação com base na exceção que a câmara considerar oportuna.

De acordo com este projeto de regulamento, a Câmara, porém, só poderá considerar imóveis que não tiveram inquilinos residenciais nos últimos cinco anos. O intuito é claramente travar o desvio de casas e apartamentos para a atividade turística.

Nos casos em que não houve inquilinos nos últimos cinco anos, o regulamento que está em tramitação estabelece os critérios onde a câmara poderá considerar liberar um alojamento local nas áreas de contenção:

  1. Imóvel que esteja totalmente vazio há mais de três anos ou com obras de reabilitação, realizadas nos dois últimos anos, que tenha permitido subir dois níveis de conservação;
  2. Quando houve mudança de uso de logística, indústria ou serviços para habitação.

A autorização, caso concedida, terá um prazo de cinco anos, quando haverá a necessidade de obter uma nova licença.

Porto: contenção começa em 2019

O Porto só começou o movimento de aperto em julho de 2019, estabelecendo um bloqueio de novos alojamentos locais nas áreas de contenção, definidas como aquelas em que haja mais de 25% de imóveis para turistas.

Da mesma forma, a Câmara do Porto colocou em audiência pública um novo regulamento, que ainda está em tramitação, prevendo que novos registros de estabelecimentos de alojamento local nas zonas de contenção poderão ser concedidos desde que os imóveis não tenham sido alugados nos últimos três anos.

Atendendo esse requisito, a câmara poderá conceder a licença para:

  • Imóvel que estiver vazio nos últimos três anos;
  • Prédios que estavam em mau ou péssimo estado de conservação que foram objeto de reforma completa realizada nos últimos dois anos;
  • Mudança de uso de logística ou indústria para habitação ou serviços;
  • Novos edifícios que surgiram de demolições com fundamento em péssimo estado de conservação ou risco de desabamento;
  • Quando a exploração do alojamento for na modalidade de quartos.

De acordo com este projeto de regulamento, o prazo da autorização é de seis anos para locais com concentração de alojamento local de 25%, quatro anos para mais de 37,5% e dois anos para mais de 50%.

Veja onde é melhor comprar imóveis em Portugal: em Lisboa, Porto ou Algarve.

Cuidados adicionais com as novas regras para imóveis para turistas em Portugal

Embora ainda em tramitação, essas novas regras para imóveis para turistas em Portugal deixam claro que para obter retornos superiores à média com a exploração do alojamento local o investidor precisa ter cuidados adicionais na escolha do imóvel em Lisboa e no Porto.

É preciso avaliar o nível de contenção em que o imóvel está inserido e escolher as melhores áreas, preferencialmente aquelas que ainda não estejam sob o espectro da contenção e que não tenham autorizações com prazo determinado.

Especialmente autorizações com prazo definido carregam o risco de mudança de atitude das câmaras municipais no momento da renovação, trazendo uma grande vantagem para os imóveis que estejam fora da área de contenção, cuja autorização não tem nenhum prazo fixado.

Leia também o nosso guia passo a passo para comprar imóveis em Portugal.

Autor: Marcio Fenelon
Investimento Imobiliário

Como investir em imóveis em Portugal e ter rendimentos acima da média

By | Artigos, Imobiliário, Investimentos | No Comments

Tem investido em CDB em banco brasileiro? Confere o rendimento do último ano. Ele está minguando, não é? E a tendência é só piorar. Investir em renda fixa não garante mais o futuro de ninguém. Receber juros líquidos, depois da mordida dos impostos, de 5% ao ano com 4% de inflação significa na verdade ganhar míseros 1% ao ano em termos reais. Seriam necessários 69 anos para dobrar o capital! Uma das soluções é investir em imóveis em Portugal, pois rende muito mais que o velho CDB (Certificado de Depósito Bancário), mais que imóveis no Brasil e mais que em qualquer país da Europa Ocidental.

Saiba abaixo como investir no mercado imobiliário português, os melhores setores de investimento, como calcular gastos e lucros e se vale a pena. Caso queira falar com um especialista clique aqui.

Investir em imóveis em Portugal: um mercado imobiliário rentável

É possível conseguir os tão desejados e agora saudosos 1% ao mês ao investir em imóveis em Portugal. Não é todo dia, mas é factível. Exige um pouco de procura e seleção e decisões sensatas. Há de considerar a valorização expressiva dos imóveis cujos dividendos não param de crescer, porque as receitas principalmente de turismo também continuam em ritmo ascendente.

Portugal é um mercado com liquidez

Não há nada mais satisfatório do que investir em um mercado com liquidez e preços ascendentes como o de Portugal de hoje. Entre as diversas razões para este sucesso destacamos segurança, hospitalidade, clima, impostos, oferta turística diversificada e custos baixos.

Encontre um país que reúne esses seis pontos fortes e terá a GARANTIA de um mercado imobiliário sólido e ativo. Os turistas precisarão de camas para dormir e os imigrantes de casas para morar. Os moradores locais ganham mais e também compram mais imóveis. Simples assim.

A proposta de valor de Portugal, ou seja, a relação entre o quanto o país entrega e aquilo que cobra, é uma das melhores do mundo. É um posicionamento competitivo de alto nível.

como investir em imóveis em Portugal aluguel

Fonte: Atlantic Bridge / Fipezap / Global Properties

Não é à toa que os preços dos imóveis reagiram com força. Segundo o Instituto Nacional de Estatística, os centros históricos de Lisboa e Porto valorizaram 72% desde 2016.

Então é melhor comprar casa em Portugal no Algarve, Lisboa ou Porto? Eu explico tudo nesse artigo, confira.

Precisa de Ajuda? Clique Aqui Para Falar Conosco >

Programas de incentivo para investir em imóveis em Portugal

Tanto o programa de Golden Visa como o de residente não-habitual vem atraindo muitos investidores e profissionais de alta renda para o pais. Após 5 anos de investimento é possível, ainda, solicitar a cidadania portuguesa.

Como investir em imóveis em Portugal? Veja as melhores opções

1. Imóveis para turistas (alojamento local)

Com receitas crescendo 70% desde 2011, o turismo já compõe 10% do PIB português, sendo uma grande fonte de receitas para negócios imobiliários. A ocupação média dos imóveis destinados ao aluguel de curto prazo (alojamento local) nos principais centros de turismo é de 78% para diárias médias de 127 euros em Lisboa e 105 euros no Porto, segundo o INE.

O aluguel se concretiza através dos market places (plataformas) como AirBnB e Booking que cobram comissão entre 3% a 15%. O gerenciamento do imóvel pode ser totalmente terceirizado com uma equipe que cuide desde definição de preços até a lavagem dos lençóis, que irá cobrar entre 20% e 30% das receitas.

Os custos adicionais são de consumo (água, eletricidade e gás), tv e internet, IMI (similar ao IPTU), condomínio, seguros e manutenção. O imposto de renda é cobrado em sistema similar ao lucro presumido brasileiro, quando a exploração é através de pessoas físicas.

Rentabilidade de Exemplo RealAnual
Diária75€
Ocupação80%
Receita mensal de alojamento1.800€
(+) Taxa de limpeza e outras despesas108€
Faturamento mensal1.908
(-) Consumo (água, luz, gás, condomínio, IMI, seguro, internet, TV)– 209€
(-) Manutenção41€
(-) Comissão Plataforma-153€
(-) Gerenciamento, Limpeza, Lavagem-477€
(-) Impostos-167€
(=) Lucro861€
Aquisição Imóvel155 mil €
Retorno bruto % ao ano15%
Retorno líquido % ao ano7%

O potencial de retorno do investimento deve ser gerenciado levando em conta quatro decisões principais: localização, gerenciamento, tributação e estado inicial do imóvel.

Cada cidade, bairro e rua tem uma relação diferente entre diária e ocupação esperada e o preço de aquisição do imóvel. Por exemplo, imóveis em Lisboa são 80% mais caro que o Porto, contudo a diária média é apenas 20% mais cara.

imóveis Portugal

Fonte: Atlantic Bridge / Fipezap / Global Properties

As mesmas diferenças podem ser verificadas entre bairros e ruas de uma mesma cidade, cabendo ao investidor tomar as melhores escolhas.
O gerenciamento de um imóvel por terceiros custa em média 25%, tornando a decisão de gestão própria extremamente vantajosa, abrindo possibilidade de um retorno ainda maior.

Imóveis por reformar podem ser boas oportunidades

Em relação à tributação, imóveis localizados dentro das áreas de reabilitação urbana (ARUs) tem imposto de renda cerca de 40% menor.
Por último, investir em um imóvel que necessitam de reformas, fará com que o preço de aquisição reduza e acabe por ajudar no retorno total do investimento.

Conheça os 12 obstáculos a ultrapassar para comprar casa em Portugal.

2. Imóveis para estudantes

Apenas 12% dos 113.813 alunos que estudam longe de casa são atendidos por alojamentos do governo em Portugal, o resto tem que se virar em um mercado onde não há nova oferta suficiente.

A equação é simples de entender. Mesmo que toda nova construção residencial, turística e estudantil fosse direcionada exclusivamente ao mercado de estudantes, ainda não seria suficiente. Só no Porto e só no mercado estudantil foram 3 mil novos alunos no último ano para um total de construção de 2.200 unidades.

O mercado de estudantes é extremamente resiliente. A educação não pode esperar. Os pais fazem de tudo para ter a melhor opção que o bolso permitir. O tamanho do mercado estudantil nunca baixou do patamar alcançado após a entrada do país na União Europeia.

O market place de referência é o Uniplaces que cobra uma comissão de 8%. O gerenciamento do imóvel é mais simples, pois não há demandas diárias de hóspedes e a cobrança irá ficar entre 10% e 15% das receitas.

As despesas de água, eletricidade, gás podem ser por conta do inquilino, restando o pagamento de internet, IMI (similar ao IPTU), condomínio, seguros e manutenção. O imposto de renda é uma taxa única de 28% sobre as receitas menos algumas despesas dedutíveis, quando a exploração é através de pessoas físicas.

Exemplo real de alojamento estudantilValores
Aluguel por quarto375€
Quartos5
Aluguel mensal1.875€
(-) Condomínio, IMI, Seguros, Internet, TV, Manutenção– 150€
(-) Comissão plataforma– 150€
(-) Gerenciamento– 188€
(-) Impostos– 394€
Lucro994€
Investimento200 mil €
Retorno bruto ao ano11%
Retorno líquido ao ano6%

3. Imóveis residenciais para aluguel

Com a grande demanda de investidores e estrangeiros e muitos anos sem lançamentos de novos imóveis, Portugal vive a tempestade perfeita para quem procura um imóvel para alugar nos grandes centros, como Porto, Lisboa e Algarve.

Embora a procura por aluguel residencial não seja explosiva, encontra oferta praticamente inexistente. Um imóvel é muitas vezes alugado no mesmo dia que é anunciado.

Os market places são os tradicionais como Imovirtual, Idealista e OLX que são de graça.

O gerenciamento do imóvel é o mais simples de todos e cobra 10% das receitas. As despesas de água, eletricidade, gás são por conta do inquilino, restando o pagamento de internet, IMI (similar ao IPTU), condomínio, seguros e manutenção. O imposto de renda é uma taxa única de 28% sobre as receitas menos algumas despesas dedutíveis, quando a exploração é através de pessoas físicas.

Exemplo real de aluguel residencialValores
Aluguel mensal750€
(-) Condomínio, IMI, Seguros, Manutenção-110€
(-) Gerenciamento-75€
(-) Impostos-41€
(=) Lucro 525€
Investimento200 mil €
Retorno bruto ao ano5%
Retorno líquido ao ao3%

4. Outras opções

Há ainda outras opções de investimento são hotéis, escritórios, imóveis comerciais (lojas e grandes comércios).

Quer saber mais informações sobre quanto custa uma casa em Portugal? Leia esse artigo.

Ganhos na valorização para investir em Imóveis em Portugal

A mais simples estratégia para aproveitar um mercado vigoroso é comprar um imóvelem Portugal e esperar pela valorização. É um negócio de baixa complexidade e que alta probabilidade de sucesso no momento atual do mercado imobiliário português.

Imóveis na planta

A compra um imóvel na planta embute a valorização decorrente da regra básica de que quanto mais perto da entrega, mais valioso será um imóvel.

A diferença de preço entre um terreno vazio e um imóvel pronto e operando fica entre 25% a 60% em Portugal. Em um mercado aquecido, um projeto de qualidade precificado de forma justa para compra na planta terá um potencial de valorização entre 10% e 25% na entrega.

A vantagem é que o investidor pode parcelar o pagamento e pagar somente 50% do imóvel para ter acesso a 100% da valorização. É uma forma de alavancagem dos resultados.

Reforma e construção

A perspectiva de retorno fica ainda mais interessante quando o investidor se propõe a encarar a obra. Seja um incorporador na Europa, compre prédios e terrenos, aprove projetos, toque a construção e venda e capture um valor ainda maior.

É uma atividade mais exigente em termos de capital e expertise, porém com resultados fantásticos em moeda forte.

Comprar um terreno ou prédio para reformar dará margens da ordem de 15% a 30%, o que por si só já é muito bom. Para tornar o resultado ainda mais atrativo, é perfeitamente possível obter um financiamento de até 100% da construção, muito embora os bancos geralmente não financiam o investimento no terreno, proporcionando retornos acima de 100%.

Financiamento

Os bancos portugueses têm uma imensa familiaridade com clientes estrangeiros. O procedimento para abrir contas é extremamente simples e a concessão de financiamento de imóveis em Portugal a não-residentes é muito comum.

A concorrência entre os bancos é intensa, então vale à pena verificar qual banco está oferecendo as melhores condições para o seu caso em especial.

Os custos geralmente incluem a taxa básica, conhecida como Euribor – equivalente à Selic, uma taxa de juros adicional, conhecido como spread, mais os custos de seguro de vida e do imóvel e taxas administrativas. Na contratação ainda incluem taxas de avaliação do imóvel e do crédito.

O percentual financiado varia de 60% a 90% do valor de aquisição do imóvel, dependendo do perfil de crédito, do uso do imóvel – investimento, primeira, segunda ou terceira moradia, local de residência e do valor da avaliação do imóvel.

O brasileiro não-residente pode contar com financiamento de 60% a 70% da aquisição com spreads da ordem de 1,5% ao ano e prazo máximo de 30 anos nas condições atuais de mercado.

Com custos tão baixos é um ótimo negócio financiar o investimento imobiliário em Portugal. É uma forma recomendada de aumentar o retorno do capital empregado. Um imóvel que tenha um retorno líquido sobre o valor do imóvel de 7%, em 70% com juros de 1,5% ano, elevaria o retorno do capital investido para 15% ao ano, um número invejável em qualquer local do mundo.

Retorno ao investir em imóveis em Portugal, é bom?

É claro que é bom. É melhor do que as aplicações no velho CDB, é melhor que investir um apartamento para alugar no Brasil, é melhor do que investir nos principais países da Europa e tem oportunidade para obter 1% ao mês ou mais sobre o capital investido.

E é seguro. O turismo que impulsionou o imobiliário português, veio para ficar. Portugal teve uma mudança de paradigma e continuará havendo o interesse por um país que é seguro, interessante e barato. Portanto, vale a pena investir em imóveis em Portugal.

Entretanto, é preciso entender de mercado imobiliário e também de investimentos no exterior. Se você não tiver experiência, recomendamos que você faça tudo com a orientação de um consultor. A nossa empresa tem ajudado muitos brasileiros a realizar investimentos em Portugal. Faça sua cotação do serviço sem compromissos. Clique aqui para maiores informações e detalhes entre em contato conosco. 

Confira também um guia passo a passo para comprar imóvel em Portugal.

Autor: Marcio Fenelon
Investimento Imobiliário